13/03 - 11/04​
ONLINE E GRATUITA

11/04 | domingo | 17H

Intervenção Artística

Espetáculo Musical
Arquitetando o Caos - Por Dani Mã - Brasil

🇧🇷 Sinopse: As composições de “Arquitetando o Caos” fazem alusão à construção de estética Pós-Tropicalista, que, nas mãos de Dani Mã, ganha um tom contemporâneo do afrobeat, indie, funk-pop e afrobaianidades texturizadas por tratamentos eletrônicos. Influenciado pelo legado da sonoridade e do universo Tropicalista, surgiu das inquietações de Dani Mã, destrinchando a angústia de se viver em 2021: uma sensação de recrudescimento da humanidade (em âmbitos sociais e no seu âmago mais íntimo), mesmo diante do potencial promissor da lógica colaborativa da abundância que a força criadora do Caos provoca.

Com mudanças em velocidades estonteantes, o mundo parece querer voltar para trás (para a última configuração de referência “ordeira” da sociedade) na vã tentativa de controlar a desestruturação inevitável posta em marcha pela revolução digital. E é na névoa, no medo, caldeira que destila os piores momentos da humanidade, que vivemos. Mas também é nesse lugar que a arte proposta aqui pode trazer outros tipos de emoções que aumentem nossa capacidade de não querer eliminar o diferente.

Assim, em plena era de “ataque à razão” triunfa agora a emoção no falho sistema mental de construção de narrativas e recepção de mensagens. Primeiro, escolhemos o que queremos acreditar, depois recebemos o que queremos receber e bloqueamos o que não queremos ver e ouvir. O resultado vai do já conhecido discurso de ódio, falta de empatia e desprezo pela humanidade no outro. As mudanças de paradigma, a liquidez, a mobilização, o colaborativo, o extremismo: as tantas contradições da contemporaneidade estão no cerne da dialética poética destas novas criações de Dani Mã.

As composições transitam por diversos idiomas, dando um tom universal e contemporâneo às tendências como o afrobeat, indie, funk-pop, afrobaianidades texturizadas por tratamentos eletrônicos. Uma elaborada atmosfera rítmica de sons instáveis, que falam deste começo de século em plena revolução digital.

Dani Mã iniciou a carreira musical entre Montreal, no Canadá, e México. Cursou Composição e Regência na Universidade Federal da Bahia (UFBA) e produziu o primeiro álbum, intitulado “Pra se Molhar”, em 2003. Em São Paulo, gravou o disco da banda da qual fazia parte, “Na Roda” (2007), que teve em sua formação nomes de destaque da nova geração musical como Tulipa Ruiz. 

Em 2009, Dani Mã conduziu a iniciativa colaborativa fonográfica “FBN Project – Fim da Bossa Nova”, na qual 12 produtores musicais repensavam as suas composições. Nos últimos anos, o artista realizou apresentações em Porto Alegre, Palmas, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Luiz, Brasília e Curitiba, além da capital e interior de São Paulo em festivais como “FunFarra” e “Noites ExCêntricas”, dividindo palco com artistas como Xênia França, Ian Ramil, Maíra Freitas, Jairo Pereira, Neila Kadhí, Mãeana, Novos Baianos, Samuca e a Selva, Armandinho Macedo, Felipe Cordeiro, Janamô, Edu Krieger, dentre outros. 

No exterior, Dani Mã realizou turnês na França, Colômbia e Estados Unidos, junto a artistas como Deborah de Blasi e Lucio Feuillet. Em 2017, Mã compôs “Caminho”, tema do premiado longa-metragem “Pitanga”, dirigido por Camila Pitanga e Beto Brandt.

🇺🇸 ENGLISH

Artistic Intervention
Musical show
Architecting Chaos – By Dani Mã – Brazil

Date: 11/04/21 – Sunday
Time: 5 pm

Synopsis: The compositions of “Arquitetando o Chaos” allude to the construction of Post-Tropicalist aesthetics, which, in the hands of Dani Mã, takes on a contemporary tone of afrobeat, indie, funk-pop and afrobaianidades textured by electronic treatments. Influenced by the legacy of sonority and the Tropicalist universe, it arose from Dani Mã’s concerns, unraveling the anguish of living in 2021: a sense of humanity’s upsurge (in social spheres and in its most intimate core), even in the face of the promising potential collaborative logic of the abundance that the creative force of Chaos causes.

With changes in dizzying speeds, the world seems to want to go back (to the last “orderly” reference configuration of society) in a vain attempt to control the inevitable disruption set in motion by the digital revolution. And it is in the fog, in the fear, the boiler that distills the worst moments of humanity, that we live. But it is also in this place that the art proposed here can bring other types of emotions that increase our ability to not want to eliminate the different.

Thus, in the midst of an “attack on reason”, emotion now triumphs in the flawed mental system of building narratives and receiving messages. First, we choose what we want to believe, then we receive what we want to receive and block what we don’t want to see and hear. The result goes from the already known hate speech, lack of empathy and contempt for humanity in the other. Paradigm shifts, liquidity, mobilization, collaboration, extremism: the many contradictions of contemporary times are at the heart of the poetic dialectic of these new creations by Dani Mã.

The compositions pass through several languages, giving a universal and contemporary tone to trends such as afrobeat, indie, funk-pop, afrobaianidades textured by electronic treatments. An elaborate rhythmic atmosphere of unstable sounds, which speak of this beginning of the century in the midst of a digital revolution.

Dani Mã started his musical career between Montreal, Canada, and Mexico. He studied Composition and Conducting at the Federal University of Bahia (UFBA) and produced the first album, entitled “Pra se Molhar”, in 2003. In São Paulo, he recorded the album of the band he was part of, “Na Roda” (2007), that had in its formation prominent names of the new musical generation like Tulipa Ruiz.

In 2009, Dani Mã led the collaborative phonographic initiative “FBN Project – Fim da Bossa Nova”, in which 12 music producers rethought their compositions. In recent years, the artist has performed in Porto Alegre, Palmas, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Luiz, Brasília and Curitiba, as well as the capital and countryside of São Paulo at festivals such as “FunFarra” and “Noites ExCêntricas”, sharing stage with artists such as Xênia França, Ian Ramil, Maíra Freitas, Jairo Pereira, Neila Kadhí, Mãeana, Novos Baianos, Samuca e Selva, Armandinho Macedo, Felipe Cordeiro, Janamô, Edu Krieger, among others.

Abroad, Dani Mã toured France, Colombia and the United States, with artists such as Deborah de Blasi and Lucio Feuillet. In 2017, Mã composed “Caminho”, the theme of the award-winning feature film “Pitanga”, directed by Camila Pitanga and Beto Brandt.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin