13/03 - 11/04​
ONLINE E GRATUITA

03/04 | sábado | 19H

Produção Independente

Animação
La Cucarachita Mandi - Por Martanoemí Noriega e Tomás Cortés-Rosselot - Panamá

🇧🇷 Sinopse: Mandi, The Little Cockroach é uma história de amor, a música é a sua linguagem e o riso é o seu combustível. Uma manhã, enquanto limpava a casa, nossa heroína encontra um pequeno tesouro e fantasia a melhor maneira de investi-lo. A pressão social que a rodeia em torno do casamento a leva a imaginar-se como júri de um “reality show” que a ajudará a descobrir o que realmente deseja. Uma adaptação moderna em papelão da história de Rogelio Sinán, “La Cucarachita Mandinga”. Mandinga Cockroach).

Declaração do Diretor: Conheço a obra do escritor Roald Dahl há muito tempo. Ele pega as histórias clássicas e esmaga, torce, desarma e reconstrói de forma irreverente e às vezes ácida. Sempre senti o resultado desse processo muito mais próximo de mim do que da história original.

Mais tarde, descobri que aquelas histórias “clássicas”, aquelas “velhas” histórias que eu conhecia, eram “novas versões” de histórias ainda mais antigas …

… é que as histórias estão vivas, estão mudando, estão evoluindo e cozinhando no molho de quem as conta, apimentando-se no caprichoso espaço da memória que as lembra e é um jogo em que vale a pena questioná-los, vesti-los de forma diferente e imaginá-los em outros contextos com decisões e finais diferentes.

Foi o que fez o mestre Rogelio Sinan com o conto de tradição oral “La Cucarachita Mandinga” e é exatamente o que nós (suaves e ousados) estamos fazendo agora.

Nós nos perguntamos o que aconteceria se nossa heroína decidisse investir seu tesouro de outra maneira? O que nos remete a uma história que, embora compartilhe o mesmo gatilho, acaba nos levando para outro lugar.

Há três coisas muito importantes que estamos herdando da versão de Rogério Sinán, primeiro é o humor, segundo é a necessidade de retratar nosso modo de vida, nossas identidades, e por último é a música, que tanto na história de Sinan quanto na de Mandi , é um ingrediente essencial.

“La Cucarachita Mandi” é uma história de amor, a música é a sua linguagem e o riso o seu combustível. Há uma heroína, um resgate valente e um reality show.

Essa história é para quem já sentiu a pressão de entrar em um molde no qual não se encaixa, é para quem canta aquela música na discoteca a todo custo e nunca percebeu as letras denigrentes e violentas que repetem com alegria, é para quem quer fugir e não sabe e para quem sabe e não foge, para quem toca música aos domingos para limpar a casa, para aquela tia que tem um móvel onde não cabem mais retratos de família e que guarda inúmeras lembranças de adolescência, batizados e casamentos. É para quem acredita que é preferível decepcionar os outros do que decepcionar a si mesmo.

Martanoemí Noriega é artista visual, nascida no Panamá em 1985. Profissionalmente, desenvolve projetos sociais e culturais, nacional e internacionalmente desde 2004. Noriega ministrou oficinas de pintura na Inglaterra, Espanha, Portugal, Itália e Malásia, e já pintou murais em vários países da América Latina e Europa. Trabalhou como roteirista na indústria de teatro na Malásia (The Actor’s Studio e Kuala Lumpur Performing Arts Centre, Malásia) e também no Panamá, Colômbia e Argentina. Fundadora e diretora da editora de papelão, “Ediciones Pelo Malo”, que promove a aproximação das pessoas à literatura por meio da imagem e do brincar. Participa ativamente de projetos empenhados em abrir espaços de reflexão sobre temas como memória histórica, mulher e identidade ”. Atualmente dirige animações Em Carton e ilustrações 2D como seu trabalho mais recente, La Cucarachita Mandi com a produtora ANIMAL.

Tomás Cortés-Rosselot é um fotógrafo chileno, mas ainda jovem mudou-se para a Cidade do Panamá. Começou a filmar documentários e vídeos experimentais desde os quatorze anos, anos depois estudou Direção de Fotografia na “Universidad del Cine” de Buenos Aires, Argentina. Em 2010, enquanto estudava DoP, fundou a ALFRED, empresa que produz filmes 35mm artesanais, adaptando filmes para uso em fotografia analógica. Atualmente mora na Cidade do Panamá e atua como Diretor e Diretor de Fotografia de Longas-metragens, Documentários e Publicidade, criando principalmente conteúdo para o coletivo de Cineastas ANIMAL, do qual também é fundador.

🇺🇸 ENGLISH

Independent Production
Animation
Mandi, The Little Cockroach – By Martanoemí Noriega e Tomás Cortés-Rosselot – Panama

Date: 04/03/21 – Saturday
Time: 7pm

Synopsis: Mandi, The Little Cockroach is a love story, music is its language and laughter is its fuel. One  morning, while cleaning her house, our heroine finds a small treasure and fantasizes the best way to  invest it. The social pressure that surrounds her around marriage leads her to imagine herself as a  jury of a “reality show” that will help her discover what she really wants.. A modern adaptation in  cardboard of Rogelio Sinán’s story, ” La Cucarachita Mandinga” (Little Mandinga Cockroach). 

Director’s Statement: I have known the work of writer Roald Dahl since a long time. He takes the classic stories and  crushes, twists, disarms and rebuilds them in an irreverent and sometimes acidic way. I always felt  the result of this process much closer to me than the original story.  

Later I learned that those “classic” stories, those “old” tales I knew, were “new versions” of even  older stories…  

… and it is that the stories are alive, they are changing, they are evolving and they cook in the sauce  of those who count them, they are spicing up in the capricious memory space that reminds them  and it is a game in which it is worth questioning them , Dress them differently and imagine them in  other contexts with different decisions and endings.  

That is what master Rogelio Sinan did with the oral tradition tale “La Cucarachita Mandinga” and it is  precisely what we (smooth and daring) are doing now.  

We wonder what would happen if our heroine decided to invest her treasure in another way? Which  leads us to a story that while sharing the same trigger, ends up taking us to another place.  

There are three very important things that we are inheriting from the version of Rogério Sinán, first is  the humor, second is the need to portray our way of life, our identities, and at last is music, which in  both Sinan’s and in Mandi’s story, is an essential ingredient. 

“La Cucarachita Mandi” is a love story, music is its language and laughter is its fuel. There is a  heroine, a brave rescue and a reality show.  

This story is for those who have felt the pressure of entering a mold in which they do not fit, it is for  those who sings that song at the disco at all costs and has never noticed the denigrating and violent  lyrics that they repeat cheerfully, is for those who want to escape and don’t know it and for those  who know it and do not escape, for those who play music on Sundays to clean the house, for that  aunt who has a furniture that can’t fit no more family portraits and that Keeps countless reminders of  “quinceañeras”, baptisms and weddings. Is for anyone who believes that it is preferable to  disappoint others than to disappoint oneself. 

Martanoemí Noriega is a visual artist, born in Panama in 1985. Professionally, she develops social  and cultural projects, nationally and internationally since 2004. Noriega has taught painting  workshops in England, Spain, Portugal, Italy and Malaysia, and has painted murals in several  countries of Latin America and Europe. Has worked as screenwriter in the theater industry in  Malaysia (The Actor’s Studio and Kuala Lumpur Performing Arts Center, Malaysia) and also in  Panama, Colombia and Argentina. Founder and director of the cardboard publishing house,  “Ediciones Pelo Malo”, which promotes the rapprochement of people to the literature through image  and play. It participates actively in projects committed to opening spaces for reflection on themes  such as historical memory, women and identity “. Is currently directing animations  In Carton and 2D illustrations as his most recent work, La Cucarachita Mandi with the production  company ANIMAL.

Tomás Cortés-Rosselot is a Chilean born photographer but at an early age moved to Panama City.  Started filming experimental documentaries and videos since the age of fourteen, years later  studied Direction of Photography at “Universidad del Cine” Buenos Aires, Argentina. In 2010, while  studying DoP, he founded ALFRED, a company that produces handmade 35mm film, adapting film to  be used in analog still photography.  

He currently lives in Panama City and serves as Director and Director of Photography for Feature  Films, Documentaries and Advertising, creating mostly content for the collective of Filmmakers  ANIMAL, where he is also founder.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin